Sunday, April 23, 2006


Marinheiro Eu Sou em viagem.

Em http://www.naviosdeguerrabrasileiros.hpg.ig.com.br/J/J053/J053.htm

NAVIO VARREDOR JURUENA ( M14 )

D a t a s

Batimento de Quilha: 7 de junho de 1943 Lançamento: 9 de novembro de 1943 Incorporação (USN): 6 de dezembro de 1943
Baixa (USN): 1º de março de 1963
Incorporação (MB): 19 de abril de 1963
Baixa (MB): 8 de agosto de 1974

C a r a c t e r í s t i c a s

Deslocamento: 320 ton (carregado).Dimensões: 41.45 m de comprimento, 7.49 m de boca e 1.85 m de calado.Propulsão: 2 motores diesel de 1.000 shp, acoplados a dois eixos.
Eletricidade: 2 geradores diesel G.E. 120cc, de 60kw e 30kw, para fornecimento de energia elétrica; um gerador de emergencia diesel G.E. 250cc, 540kw para operações de varredura.
Velocidade: máxima de 12 nós.
Raio de ação: 2.500 milhas à 8 nós.Armamento: 4 metralhadoras em dois reparos duplos Oerlikon Mk 12 de 20 mm.Sensores: 1 radar de vigilância de superfície SPS-10 e um sonar AN/QUS-1B de alta definição para operações de caça-minas.
Tripulação: 33 homens, sendo 4 oficiais e 29 praças.

H i s t ó r i c o

O Navio Varredor Juruena - M 14, ex-USS Grackle - MSC (O) 13, foi o quarto navio a ostentar esse nome na Marinha do Brasil, em homenagem um rio homônimo no Mato Grosso que é tributário do Tapajós. Foi construído nos EUA, sendo lançado ao mar em 9 de novembro de 1943 e incorporado a U.S. Navy em 6 de dezembro de 1943. Foi submetido a Mostra de Armamento e incorporado a Marinha do Brasil em 19 de abril de 1963. Naquela ocasião, assumiu o comando o Capitão-Tenente Murilo Cruz Guimarães de Souza Lima.

Os navios dessa classe foram incorporados na U.S.Navy com a classificação de YMS, que foi alterada para MSC em 1955.

A oficialidade do recebimento do Juruena foi a seguinte:

- CT Murilo Cruz Guimarães de Souza Lima – Comandante
- CT Sérgio Tavares Doherty - Imediato
- CT Jorge Sgarbi - Enc. de Convés
- CT Carlos Oswaldo Pego do Amorim Azevedo - Chefe de Maquinas

1963

Chegou ao Rio de Janeiro e foi incorporado a 1ª Divisão de Navios Varredores da Força de Minagem e Varredura, criada pelo Aviso Ministerial n.º 0818 de 12 de maio de 1961.

Nesse ano a Força de Minagem e Varredura, deixou de ser subordinada ao Comando do 1º Distrito Naval e passou para a Esquadra.

1967

A Força de Minagem e Varredura passou a chamar-se Esquadrão de Minagem e Varredura.

1968

Viagens de adestramento em Grupos-Tarefa (GT), compostos pelos NV Javarí - M 11, Jutaí - M 12 e Juruá - M 13 e dos NPa Piranha - J 30 e Piraquê - J 32, visitando os portos de Santos, Ilhabela, Angra dos Reis e Vitória.

Viagem de adestramento em GT, com os navios acima, para representar a MB no Rio Grande do Sul na Semana da Pátria. Foram visitados os portos de Santos, Itajaí, Rio Grande, Porto Alegre e Paranaguá.


Na imagem acima o Navio Varredor Juruena - M 14 e seus irmãos formaram a Força de Minagem e Varredura da Marinha do Brasil até a chegada dos Varredores da classe Aratu nos anos 70. (foto: SRPM)

Em http://www.ussyms425.com/ conheçamos a História do U. S. S. YMS 425, o FUTURO NV JURUENA.

"WHERE THE FLEET GOES, WE'VE BEEN"
" ONDE A ESQUADRA FOR, NÓS ESTIVEMOS "
"ANY SHIP CAN BE A MINESWEEPER......ONCE" - Anon

" QUALQUER NAVIO PODE SER UM VARREDOR.....UMA VEZ " - ANON


0 Comments:

Post a Comment

<< Home